A energia do Dinheiro

O dinheiro não existe na espiritualidade, é criação do homem no plano das ilusões. No entanto o dinheiro pode e deve estar em sintonia com a energia da prosperidade e abundância do universo, que é lei divina.

O dinheiro pode servir apenas as propósitos dos homens no plano da matéria,e assim servir ao poder e aos interesses pessoais. Nesta forma de uso a energia do dinheiro se esgota e não cria felicidade e alegria.

Mas a espiritualidade tira proveito de todas as criações humanas para o crescimento e transformação da humanidade, assim também o dinheiro – a falta ou abundância dele e seu uso – representa um grande aprendizado para todos nós.

E neste momento em que a humanidade muito já avançou e ingressa num nível espiritual mais elevado, podemos tirar proveito positivamente da energia do dinheiro e assim ingressar na lei do universo de abundância e prosperidade! Nossa compreensão nos dá esta oportunidade maravilhosa, e desta forma poderemos criar apenas karma positivo no uso do dinheiro que chega as nossas mãos.

Afinal dinheiro cái do céu sim! O dinheiro pode fluir em abundância em nossa vida, ou pode escoar embora, afinal ele é uma energia e funciona como tal!

E para criar abundância em nossa vida basta que tenhamos atenção a regrinhas simples:

1.Devemos usar o dinheiro para a nossa felicidade e a de todos a nossa volta. Apenas compreenda que todas as nossas ações devem estar comprometidas com o bem estar de todos, e desta forma nunca tome atitudes que prejudiquem a alguém para lhe favorecer ou favorecer a poucos. Invista o dinheiro em estudo, conhecimento, bem estar, qualidade de vida, viagens, e tudo mais que traga alegria e saúde para você, sua família e os que estão ao seu lado.

2. Dinheiro existe para circular. Faça circular a energia do dinheiro, crie empregos, faça com ele coisas boas, invista em progresso, conhecimento e lazer, remunere muito bem aqueles que lhe prestam serviços. Não viva em privação para acumular dinheiro, isto é uma besteira total! Dinheiro
guardado não gera felicidade, e de alguma forma vai se perder. Isto não quer dizer que você deva gastar todo seu patrimônio, mas guarde planejando novos usos, guarde momentâneamente para investir adiante em sua vida.

3. O dinheiro deve estar ligado a gratidão. A gratidão é uma das grandes forças do universo, através dela criamos cada vez mais prosperidade em nossa vida e na de todos. Ao contrário, a ingratidão, corta nossa ligação com a prosperidade, e nos faz perder tudo o que possamos ter. Então pague bem seu
médico, seus empregados, os serviços que usa, o colégio em que seu filho estuda, e mesmo os remédios que precisa comprar. Não seja mesquinho, pense em quanto é bom você poder pagar bem pelo que você tem. Tenha em pensamento que o dinheiro é feito justamente para isso: pagar por tudo de bom que você tem neste momento!  Agradeça e elogie também aqueles que lhe ajudam, assim o dinheiro está na energia da gratidão, e virá mais e mais para sua vida, num ciclo de prosperidade.

4. Não deixe herança. Esta é uma outra grande bobagem. Dinheiro só tem valor para quem o conquistou, use-o da melhor maneira possível, dê o melhor estudo e formação para seus filhos, crie-os para serem independentes e nunca
precisarem de herança. Quando os filhos esperam uma herança ou pensão existe uma grande chance de que eles se acomodem na vida e não se dediquem aos seus estudos e futuro. Além disso na maioria das vezes as heranças criam grandes conflitos na família, e o dinheiro rapidamente se perde sem trazer
felicidade… Se você tiver uma herança a deixar, diexe-a para uma instituição séria, faça com ela caridade, ajude ao próximo! Mas antes ensine seus filhos a serem independentes, e viva com eles momentos maravilhosos em
viagens, férias e encontros! Tudo bem se você puder ajudá-los a iniciar uma vida, mas faça disso apenas um trampolim para a independência deles.

5. A próxima lei é a da caridade. Não se prive de ser caridoso, você não precisa distribuir todos os seus bens, mas seja caridoso sempre que possível das mais diversas formas: dê apoio emocional, espiritual, na forma de
alimentos, provendo outras necessidades, ou na forma financeira. Faça caridade desinteressadamente, não espere elogios e mesmo gratidão, saiba que você está dando ao universo – e desta forma você será retribuído por tudo
que fizer.

6. Seja generoso, não seja mesquinho com você mesmo e com os que estão a sua volta. Mesquinhez gera mesquinhez. Se você acha que não merece coisas melhores em sua vida, você vai perder o que tem, de alguma forma o dinheiro
acaba, a aposentadoria é cortada ao meio, você tem algum prejuízo sério, etc. Seja generoso para com você mesmo, se dê ao direito de ter coisas boas, de se alimentar bem, de viver bem e viajar! Pague seu plano de saúde ou seu
médico particular com satisfação! Isto não quer dizer que você deva ser consumista ou esbanjador, tudo requer bom senso e equilíbrio! O amor começa com você mesmo, e generosidade gera generosidade! Gentileza gera gentileza,
lembre-se sempre disso!

7. Use o dinheiro com satisfação e prazer! É para isso que o dinheiro serve! Ao usar o dinheiro com alegria, ele vai gerar cada vez mais alegria em sua vida. Distribua esta alegria a sua volta, crie beleza, bem estar e
felicidade! Assim você estará em concordância com as leis do universo de amor, alegria, beleza, prosperidade e felicidade! Afinal não é isso o que todos queremos?

8. Livre-se das crenças negativas que você carrega a respeito do dinheiro. Estas mensagens negativas estão impressas em nossas memórias, inconscientemente, há muito tempo. Elas dizem que o dinheiro é sujo, que um
rico não entra no céu, que não merecemos a riqueza, que dinheiro e espiritualidade não combinam… Largue estas bobagens e repita para você, muitas vezes se for necessário, que o dinheiro é bom e com ele você pode
fazer coisas maravilhosas para você e os outros. Usufrua do dinheiro criando harmonia, felicidade e cada vez mais prosperidade! Livre-se de todas as culpas e creia que todos merecemos ser felizes, e que a chave para isso é
agir em benefício de todos e de nós mesmos!

(Texto de Ana Lilian)